Ciberataque russo paralisa cirurgias oncológicas em Londres

Lê o resumo

Lê o artigo completo

Um ciberataque russo contra o sistema informático do Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS) resultou no cancelamento de cirurgias oncológicas em hospitais de Londres.

O ataque, que começou na segunda-feira, afetou o parceiro informático Synnovis, responsável por exames de sangue em diversos hospitais da região.

Impacto nos serviços de saúde

O ataque de ransomware, um dos maiores já sofridos pelo NHS, causou grandes perturbações em seis unidades do NHS e em dezenas de consultórios de centros de saúde no sudeste de Londres. Estima-se que cerca de dois milhões de pessoas foram afetadas.

Os hospitais St Thomas’ e King’s College foram forçados a adiar cirurgias oncológicas devido à incapacidade de fornecer transfusões de sangue em consequência do ataque. Um gestor sénior do NHS descreveu o incidente como “o pior pesadelo”.

Hack Russia Londres

Esforços para minimizar os danos

Apesar das dificuldades, o NHS está trabalhando para reorganizar consultas e tratamentos o mais rápido possível. O diretor médico do NHS na região de Londres, Chris Streather, lamentou o ocorrido e afirmou que a equipa está empenhada em minimizar os impactos aos pacientes.

As autoridades ainda não divulgaram detalhes sobre o número de cirurgias oncológicas canceladas nem informações sobre os hackers responsáveis pelo ataque. No entanto, acredita-se que o grupo Qilin esteja por trás do incidente.

Pontos Principais:

  • Cancelamento de cirurgias oncológicas: Hospitais foram forçados a adiar cirurgias oncológicas devido à incapacidade de fornecer transfusões de sangue após o ataque.
  • Ataque de ransomware: O ataque, considerado um dos maiores já sofridos pelo NHS, foi classificado como “o pior pesadelo” por um gestor sénior do NHS.
  • Grande perturbação: O ataque causou grandes perturbações em seis unidades do NHS e em dezenas de consultórios de centros de saúde no sudeste de Londres, afetando cerca de dois milhões de pessoas.
  • Grupo Qilin: Acredita-se que o grupo hacker russo Qilin seja o responsável pelo ataque.